Diretor de Inovação do Bradesco conta a experiência do banco em inovar

Marcelo Frontini abriu o segundo dia do Seminário e Feira de Inovação do ISITEC

Com a exibição de um curto filme e um breve histórico sobre a atuação da Fundação Bradesco e do Banco Bradesco, Marcelo Frontini iniciou o bate-papo sobre a presença da inovação no sistema financeiro.

Frontini expôs a maneira como o Bradesco faz a gestão de inovação ficando atentos às pessoas, negócios, tecnologias e processos. A equipe de inovação do banco está sempre com o radar ligado para tecnologias que estão sendo criadas para serem usadas em cinco ou dois anos, como Google Glass e depósitos online, e acompanha o desempenho delas.

O Bradesco divide os projetos em inovação fechada e inovação aberta. Na primeira categoria estão os sistemas internos e na segunda estão projetos para fora, como o InovaBRA, projeto que envolve empreendedores e startups com universidades. “Na inovação temos que ter uma postura corajosa de saber que é preciso ter muitos erros para cegar aos acertos”, defendeu Frontini.

Hoje o Bradesco é multicanal, o cliente pode usar celular, call center, computador pessoal ou agência, cada cliente decide. Essa é a pesquisa atual do banco, que estuda a experiência do usuário para deixar disponíveis as ferramentas de sua preferência.

De olho no futuro o Bradesco aposta no celular: “O celular é onde está a fronteira da inovação para serviços financeiros e seguradoras”.